Quando procurar por terapia?

Quando procurar por terapia?

Conversava outro dia com um amigo que me perguntava sobre quando fazer terapia. Eu sempre defendi que TODOS precisamos de terapia. Seja para se conhecer melhor e evitar (ou parar de) dar boas cabeçadas vida a fora ou mesmo para resolver questões que consideremos perturbadoras. Mas como em nossa cultura valoriza-se aquele que vence com muito esforço ou que dá a volta por cima, pode ficar difícil das pessoas conseguirem identificar em si a necessidade de procurar apoio psicológico. Afinal, o sofrimento, a angústia, as decepções, desilusões e o mal que fazem aos outros podem ser compreendidos como parte dessa trajetória de batalha e conquista da vitória. Sempre me pergunto, porque não pode ser com menos desgaste, mas vamos lá…

Gostaria de oferecer alguns elementos para reflexão daqueles que têm dúvidas ou nunca se imaginaram buscando um processo terapêutico.

Que condições são propícias para se buscar apoio de um psicólogo?

  1. Se você quiser se conhecer melhor – A gente leva muitos anos repetindo os mesmos comportamentos e experiências ruins até entender o que é bom para nós e o que devemos evitar na vida. Isso, normalmente, vem com a idade, quando já nos machucamos muito e machucamos muitas pessoas. Ou não acontece nunca, porque com a idade vem para muitos aquela sensação de que já sabe o suficiente sobre a vida. E é quando muitos passam a ouvir menos a opinião de outros e a repetir um mesmo padrão de funcionamento gasto e falho sob o texto de que já tem sido assim há tanto tempo que já não dá mais para mudar. O autoconhecimento permite entender porque você age de determinada forma, porque escolhe determinados caminhos e/ou pessoas, o que permite se proteger e fazer escolhas mais conscientes.
  2. Se você fica muito doente com frequência – Muito se comenta sobre o assunto mas muitas pessoas não associam. A maior parte das doenças tem origem no emocional (psicossomáticas). Isso significa que seu organismo está sinalizando a você que algo não vai bem e não é meramente físico. Pense se não acontece com você de ter um dia ou um período ruim que assim que iniciou ou logo que terminou desencadeou uma crise qualquer (dor de cabeça ou de estômago, problemas respiratórios, etc). Pode ser seu corpo te dizendo que tal situação está além de sua condição de encarar plenamente. Você até encara a luta e vence, mas sai sempre com escoriações.
  3. Se você está sofrendo ou vivendo um incômodo emocional – Costumo dizer que problemas todos nós temos. E, justamente, por serem nossos, ou seja, dizerem respeito a nossa vida, precisamos ser capazes de resolve-los. A resolução de um problema pode até estar além de nossas condições, mas o sofrimento causado por ele não. Este sim, precisamos ter condição de lidar. Quando um problema criado por nós ou com nossa participação se perpetua, causando grande sofrimento ou limitando nossa vida (ex. se sentir obrigado a deixar de fazer uma atividade, ir a determinado lugar ou encontrar determinadas pessoas em função desse problema) é hora de procurar ajuda. Não é digno de aplausos viver sofrendo em silêncio. Não pense que é natural ficar sofrendo.
  4. Se você deseja mudar e não encontra coragem para isso – Às vezes acontece da pessoa se dar conta de que algo está lhe fazendo muito mal. Percebe que não sabe como lidar com determinada situação que acontece frequentemente, com determinadas pessoas ou certas situações recorrentes em sua vida. É louvável que tenha percebido, no entanto, perceber é o primeiro passo para resolução, não é a resolução em si. Aliás, a partir do momento que se der conta do que não vai bem, o incômodo tenderá a aumentar. É preciso coragem para mudar algo que, mesmo aos trancos e barrancos, tem sido de determinada forma já há anos. Também para isso um processo terapêutico serve.
  5. Se você acha que não precisa de terapia – Esse é o caso mais comum e mais difícil de resolver, porque para fazer terapia é preciso, primeiramente, querer. Mas vou apresentar aqui de uma forma clara e objetiva os sinais que você deve observar para avaliar se está na sua hora de procurar ajuda.
  1. Se você acha que está tudo bem com a forma como tem lidado com as situações e, principalmente, com as pessoas, mas apesar disso, alguém sempre vem sinalizar a você que exagerou;
  2. Se você defende que este é o seu jeito e que (todas) as pessoas deveriam entender isso e respeitar, mas frequentemente, alguém sai magoado de uma conversa contigo;
  3. Se a maneira que você acredita ser o jeito certo, insistentemente, te traz retrabalho, desgaste na relação com pessoas e/ou afasta de você pessoas próximas (amigos, familiares, cônjuge);
  4. Se você reconhece que magoa pessoas com frequência, não consegue evitar, mas sente grande culpa quando acontece por acreditar ter feito mal a alguém que você ama;
  5. Se você é magoado (a) por pessoas diversas ou pelo mesmo tipo (estilo comportamental) de pessoas e não consegue evitar se ver em situações como esta.

Se você se identificou com uma ou mais dessas afirmações, pare para refletir. Ninguém precisa viver sofrendo. Nem você e, muito menos, quem convive com você. Faça um movimento para ter maior qualidade de vida e para tornar agradável às pessoas a sua volta viver próximo a você. Está em nossas mãos buscar viver bem, assim como também é nosso papel cuidar do bem estar das pessoas que estimamos. Isso tem impacto direto, não só no tipo de ser humano que você é mas também no profissional que deseja ser.